Especiais

Emocionante, trama de Novo Mundo mostra o valor da liberdade poética nas novelas

Oi, pessoal, tudo bem? Pelo que se sabe, falta pouco mais de um mês para que Novo Mundo, atual novela das 18h da Rede Globo, chegue ao fim. Escrita por Thereza Falcão e Alessandro Marson, no primeiro trabalho de ambos como autores titulares, a obra faz uso de algumas licenças ou liberdades poéticas para contar sua história, que tem como pano de fundo o processo que levou à Independência do Brasil. Com essa mistura de realidade e ficção, Novo Mundo conquistou o público e é um sucesso de audiência desde os primeiros capítulos. Então, podemos dizer que a novela comprova o valor da liberdade poética nas novelas.

José Bonifácio (Felipe Camargo) e Leopoldina (Letícia Colin) em Novo Mundo. Direitos de Imagem e CopyRight: Gshow.

Como exemplo da utilização de liberdade poética em Novo Mundo, podemos citar o casal de mocinhos Anna (isabelle Drummond) e Joaquim (Chay Suede), que não são personagens reais, porém foram bem construídos e abraçados pelos telespectadores, que torcem pela felicidade dos dois. Como caso mais recente de licença poética em Novo Mundo, vimos a criação de um conflito para um personagem que existiu realmente. Estou falando do amor fictício de José Bonifácio de Andrada e Silva, político e intelectual que foi ministro de Dom Pedro durante seu governo como príncipe regente do Brasil, pela princesa Leopoldina, esposa de Dom Pedro.

Em Novo Mundo, José Bonifácio, que é interpretado pelo ator Felipe Camargo, surgiu com a trama já em andamento e trouxe um novo fôlego à novela, sendo atualmente, vital para o folhetim. Além de tornar-se figura essencial na resolução de conflitos políticos, Bonifácio se transformou em amigo e grande apoio da sofrida e solitária princesa Leopoldina, vivida pela atriz Letícia Colin. Como já falamos aqui no Território da Novela, a magistral atuação de Letícia, que trouxe ao público uma princesa extremamente carismática e encantadora, fez Leopoldina alcançar um protagonismo que sequer parecia estar previsto inicialmente. Assim, tudo o que fazia bem à princesa, como a amizade com José Bonifácio, passou a cair nas graças dos telespectadores.

Pois é. E é ai que a licença poética entra. Nos registros históricos, o que existe são relatos de simpatia mútua entre Leopoldina e José Bonifácio, nada além disso. Porém, os autores de Novo Mundo decidiram fazer com que, na ficção, o ministro não só se apaixonasse pela bela princesa, como também revelasse a ela seu amor. E é justamente essa licença poética que, na minha opinião, está rendendo a Novo Mundo suas mais lindas cenas desde que esse sentimento veio à tona.

Como exemplo, quero citar a cena da declaração de amor propriamente dita. Depois de ouvir da princesa um grande desabafo sobre sua angústia em relação à infidelidade de Dom Pedro (Caio Castro) com Domitila (Agatha Moreira), o ministro não se contém e confessa a Sua Alteza Real que a ama. Leopoldina fica bastante surpreendida com a declaração e afasta Bonifácio. Porém, a emoção transmitida em cena tanto pela interpretação de Felipe Camargo quanto de Letícia Colin, fizeram com que muita gente, inclusive esta que aqui escreve, passasse a torcer pelos dois, que foram rápida e carinhosamente apelidados de “ Leofácio” pelos fãs.

Veja aqui a cena em que Bonifácio se declara para Leopoldina em Novo Mundo.

No momento, para a tristeza dos que torcem por “Leofácio,” está prevista para breve em Novo Mundo uma reconciliação entre Dom Pedro e a princesa Leopoldina. Por isso, as redes sociais estão sendo usadas como instrumento na tentativa de convencer Thereza Falcão e Alessandro Marson a levarem a licença poética de “Leofácio” até o fim. É claro que, principalmente por se tratar de personagens reais e de suma importância para a história do Brasil, tudo certamente está sendo planejado com extremo cuidado. Porém, um fato é incontestável: a licença poética feita para Leopoldina e Bonifácio tem grande beleza e comprova o quanto a lembrança de que novela é uma obra de ficção sem compromisso com a realidade pode trazer aos telespectadores uma emoção e um encantamento tão raros hoje em dia.

Concluo deixando vocês, queridos leitores, com a emocionante cena do sarau em que Bonifácio declama um poema para a Princesa Leopoldina. Beijos a todos e até o próximo post!

Um comentário sobre “Emocionante, trama de Novo Mundo mostra o valor da liberdade poética nas novelas”

  1. Renata disse:

    Ameiiiiiii aaaaaaa 😍😍😍😍 matéria gostosa de ler. Sim sou do time Leofácio. Que essa licença poética continue em prol desse casal maravilhoso que é Leopoldina e Bonifácio. A princesa merece um final digno que ao meu ver não é ao lado do safado do Príncipe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *